terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Marcelo Oliveira e Alexandre Rossi comemorando a primeira etapa do acesso a Praia de Santo Antonio



Uma tarde feliz. É assim que eu defino o almoço em que tivemos o privilégio de dividir a mesa com o Sr. Marcelo Oliveira, o Vice-Prefeito de Mata de São João e o Vereador Alexandre Rossi, em agradecimento a primeira etapa dos melhoramentos do acesso a Vila de Santo Antonio. Quem esperava ouvir discursos políticos inflamados, frustrou-se.  Não era uma ocasião para isso. Eram dois amigos chegando a nossa casa. E amigos a gente recebe é com abraços, carinho e comida gostosa.

Ao que pude observar, Marcelo Oliveira é um homem de fala comedida, gestos simples. Olha no olho da gente quando fala, lembra coisas antigas, escuta, pergunta e responde com atenção.  Mas não se enganem os que acham que a paixão de João Gualberto, vai arrefecer na serenidade de Marcelo. Em menos de cinco minutos, ele já tinha decidido dar início a segunda fase dos melhoramentos. Simples assim. . . Como nosso amigo Arquimedes Laudano falou, Marcelo Oliveira que já lidera hoje a equipe de João Gualberto, vai ser um bom prefeito, haja visto acumular os cargos de Vice-Prefeito, Secretário da Saúde e da Educação.  Bravo, Marcelo!!!  Obrigado por ter vindo!

Porque houve quem não acreditasse na sua vinda. A moqueca do Pescador, restaurante do Sr. Tomás fervia na panela quando um senhor com ares de Coronel sentou-se no restaurante ao lado, com seu segurança. Nem imagino o que fez para resistir ao cheiro poderoso da moqueca de Tomás e sentar-se tão retirado da comunidade que ele conhece a mais de 40 anos e da qual deveria fazer parte.

Parecia uma cena saída dos romances de Jorge Amado. O velho latifundiário, que não acompanhou o avançar da vida, perdido entre picuinhas, amargava só. O tempo agora rareado com o avançar dos anos, gasto nas audiências das centenas de pendengas judiciais com seus vizinhos.  Aquele rico senhor que não foi convidado para a festa, sentado no único lugar em que é bem-vindo, (porque será?)  nos faz refletir sobre a incrível sutileza entre ser rico e ser afortunado.

Sentado no outro restaurante, um outro senhor, rodeado de amigos que insistia por sua presença, cumpria o seu papel de patriarca, respeitado e querido. Afortunado esse senhor, farto de tardes douradas a olhar o mar, amado por seus filhos, bem-vindo em todas as mesas, cercado de netos, noras e sobrinhos.  Andando com apenas com a segurança que uma vida de retidão proporciona, sobre praias e dunas, com a pele curtida de sol, saúde de ferro.  Viva Sr. Miúdo,  símbolo da nossa resistência.

Mas, voltando ao Coronel, porque não se pode repetir o nome dele, porque o dito cujo tem 5 escritórios de advocacia e "Deus me livre ficar o resto da vida na prisão". O que o trouxe ali? De qualquer forma, foi bom ele ver o Vice-Prefeito e um Vereador, chegando a nossa pequena Vila, sem segurança particular, para sentar-se a mesa e comer uma boa moqueca ao lado da gente. Pena que isso foi demais para ele, que perdeu a compostura e como em um bom folhetim, dirigiu alguns impropérios a Marcelo Oliveira e Alexandre Rossi. Que coisa patética! Desculpe meus amigos.

A verdadeira recepção de vocês é a nossa, recepção de carinho e agradecimentos.
Estiveram presentes também, o presidente Josafá e a diretoria executiva de nossa Associação de Moradores, AMASA,  Jacira e Wellington Cordeiro, Andrade, todo o pessoal que participou do Mutirão, Sr. Miúdo, Sr. Tomáz, Sr. Caíca, D. Domingas, netos  e descendentes do Sr. João Mendes, patriarca da grande família Mendes. Isso é o mais importante.


Esse senhor fora de moda ainda é do tempo em que políticos não falavam com pobre, só acenava de longe.  Em que política se fazia, comprando dois sacos de cimento pra um, um milheiro de tijolo pra outro, isolando outros tantos e massacrando o resto.  Ele não sabe que agora, política local é feita da interação entre comunidade, vereadores e prefeitura.  Mas tudo começa mesmo é na comunidade, na hora em que ela se organiza, provoca o Vereador com suas necessidades e ele faz um bom trabalho. Quando isso funciona, ainda que timidamente, transforma a realidade.

Que sirva de inspiração para outras comunidades, que se organizem, busquem o apoio de seus Vereadores, que troquem de Vereador se for o caso, mas não desistam, porque o tempo dos Coronéis acabou.  
Exatamente pelos motivos ditos acima que Sr. Marcelo Oliveira e Alexandre Rossi saíram da vila aplaudidos pela comunidade, e mais uma vez muito obrigado a vocês dois, vocês fazem uma boa dupla e obrigado também ao Prefeito João Gualberto qie possibilitou tudo isso!